Destaque

17/04/2018 19:49 - Atualizado em 17/04/2018 19:49
"Às Margens do Ipiranga" reflete desigualdade histórica brasileira
Celso Luiz Tracco estende reflexão, por meio de histórias típicas de famílias desassistidas, sobre temas como violência urbana, preconceito e fé inabalável
Aline Fraticelli

A narrativa de “Às Margens do Ipiranga – A esperança em sobreviver numa sociedade desigual” (Ed. Palavra & Prece, 221 páginas) se passa em São Paulo, conhecida e propagada como a terra das oportunidades e uma das cidades que mais cresce no mundo. De forma cronológica e nada abstrata, conta histórias de famílias muito carentes economicamente, que buscam sobreviver em uma sociedade desigual e repleta de obstáculos sociais, éticos e morais.

A obra do master coach Celso Luiz Tracco remonta, a partir de recursos literários, e baseado em fatos reais, os cenários políticos das últimas seis décadas que vão desde a posse de Getúlio Vargas, a chegada do regime militar, o impeachment de Collor e a passagem de Luiz Inácio Lula da Silva pela presidência do País. Sempre com um viés crítico, o autor escancara as mazelas vividas pela população e a ausência de condições mínimas para o desenvolvimento humano sob a atuação do Estado.

Como manter a esperança e perspectiva de oportunidades igualitárias, condições dignas de vida em um cenário tão caótico - seja do ponto de vista político, econômico ou social -, e onde os 10% mais ricos sempre detiveram e continuam detendo mais de 50% da renda nacional?

O autor se debruça sobre esta realidade com notável dedicação e habilidade, aproximando o leitor das consequências (des)humanas de todo esse processo.  Pobreza extrema, crescimento da violência, corrupção endêmica, preconceito e indiferença, por um lado, são alguns dos efeitos apresentados. De outro modo, e de maneira concomitante, a história é repleta de exemplos de bondade, solidariedade e esperança, avançando entre dois legados distintos para uma única realidade.

Comentários