Colunistas

07/12/2017 10:48 - Atualizado em 07/12/2017 10:48
Celulares: fonte de germes
Dr. Roberto Figueiredo

Provavelmente você nunca ficou doente por usar o celular, certo? No entanto, um estudo feito por uma aluna da Devry Metrocamp, de Campinas, chama a atenção para a quantidade de fungos e bactérias presentes nos eletrônicos. Muitos deles podem causar problemas como micoses, conjuntivites, intoxicações alimentares e infecções urinária e respiratória.

O trabalho identificou a presença de até 23 mil fungos e bactérias em celulares, tablets, capas de proteção dos aparelhos, teclados e mouses. Do total de 74 amostras, 43% apresentaram a bactéria Staphylococcus aureus, que é relacionada a infecções de pele, das vias aéreas superiores, como otites e sinusites, e até mesmo meningite. Também foram encontrados bolores e coliformes fecais. A contaminação ocorre pela falta de higienização das mãos, que acaba transferindo os microrganismos aos equipamentos.

A pesquisa aponta as mãos como principal fonte de contaminação, mas os locais onde deixamos o celular também transferem bactérias? Exemplos de locais?
O que mais contamina os celulares, além das mãos, é boca (a saliva contém cerca de 2 bilhões de bactérias por gota de saliva), perdigotos (espirros), banheiros, bolso da calça (vestimentas em geral - os bolsos são muito contaminados devido ao contato com as mãos), mesas (por ex.: de praças de alimentação de shoppings), bancos dos carros e qualquer local que deixamos o celular.

Como limpar os aparelhos celulares de forma eficácia contra as bactérias? Quais produtos devemos usar?
Álcool Isopropílico (Isopropanol) comprado em lojas de materiais eletrônicos. Pano levemente umedecido, não encharcado. Na ausência deste, podemos usar lenços umedecidos para "limpar bumbum de bebês".

Qual frequência deve ser feita essa limpeza?
Para as pessoas ligadas às áreas de saúde (médicos, biomédicos, enfermeiros, etc.), uma vez ao dia; para as outras pessoas, uma vez por semana.

Quais doenças podem ser adquiridas por aparelhos contaminados?
Depende do germe, mas as mais comuns são gripe, resfriado, conjuntivite, laringite, candidíase (sapinho), herpes labial, faringite, entre outras. Até ebola, na África, o celular foi responsável.

As capinhas protetoras do celular ajudam ou dificultam a existência das bactérias?
Dificultam a higienização e "escondem" mais os germes. A higienização deve ser feita com a retirada das capinhas.

Celular no banheiro, seja na hora do banho ou mesmo durante as necessidades, quais bactérias ou riscos de contaminação?
Bactérias fecais (Escherichia coli), germes causadores de diarreia (Norovirus).

Quais são as dicas do Dr. Bactéria para um celular livre de contaminação?
Evite utilizar no banheiro e na hora das refeições, higienize corretamente e não empreste e não use o aparelho de outras pessoas.

O biomédico, especializado em bacteriologia, Dr. Roberto Figueiredo, a cada mês, trata de um tema relacionado aos perigos microscópicos que se escondem no nosso cotidiano. Acesse também: Dr. Bactéria no Instagram - drbacteriaoficial

Dr. Bactéria
com Dr. Roberto Figueiredo
Comentários