Colunistas

27/10/2016 07:52 - Atualizado em 27/10/2016 07:52
Marque um encontro com você!
Marlene Lamarco

Quando o corre-corre do mundo começa a refletir em nosso interior e o dia vai ficando insuportável, cada vez mais difícil, é hora de criar uma pausa. É hora de respirar! Na verdade a confusão não é no mundo, é dentro de nós. Respirações profundas por apenas três minutos tem o poder de nos tirar do círculo vicioso da ansiedade.

Por meio do silêncio e da reflexão podemos fechar as janelas que distraem os nossos sentidos e sair em busca daquilo que é essencial à alma. A reflexão é um processo prazeroso que nos permite alinhar os próprios sentimentos. É uma espécie de jejum espiritual em que podemos jogar fora o lixo com o qual sabotamos nossos próprios sonhos e criar novas experiências de liberdade.

Pesquisas demonstram que quando fechamos os olhos, cortamos a comunicação com o mundo exterior em setenta por cento. Os trinta faltantes acabam acontecendo com a intenção clara de buscar a consciência sobre si mesmo e o gosto dos próprios sentimentos.

Precisamos refletir mais e julgar menos. A reflexão abre um espaço de clareza dentro de nós, uma janela para a luz, que nos permite sair dos comportamentos automatizados. Por meio dela tomamos consciência de que o piloto automático, e não a nossa consciência, está escolhendo a direção e os caminhos que vamos trilhar. Sem falar no excesso de velocidade que não nos permite desfrutar da paisagem, dos contrastes, das entrelinhas, daquilo que fica por trás das aparências, onde realmente subjaz os verdadeiros sentimentos.

O aprendizado não é circunstancial não, o aprendizado é uma escolha. Ele não pode ser regido por forças exteriores, pois, dessa forma, aumentamos as experiências inconscientes e dolorosas. E a nossa vida vai rolando no desvio daquele que é o caminho principal, aquele que tem afinidade com o divino propósito de cada um, e que nos torna únicos.

Quando a vida acontece sem pausas, as influências externas e os pensamentos recorrentes intoxicam a nossa mente e abrem espaço para respostas reativas e emocionais. Perdemos o domínio de nossas ações e outra energia passa a comandar a nossa vida. E o pior: fazemos isso sem perceber que o fazemos!

O aprendizado é um processo no qual acionamos o poder de escolher pensamentos e palavras mais positivas, sentimentos baseados nas próprias aspirações e ações que valorizam a nossa humanidade. O mundo está carente de benevolência e compaixão. Se a humanidade não voltar os olhos para uma visão mais espiritualizada e amorosa do mundo e das relações entre os seres, em pouco tempo não terá mais onde se albergar.

Precisamos criar uma nova vida, precisamos nos tornar crianças novamente, ouvir aquela vozinha dentro de nós que reclama por um pouco mais de carinho, que pede colo, compaixão e ternura. Compaixão por nós mesmos. Como podemos esperar que os outros nos enxerguem, se o nosso olho espiritual, muitas vezes, se perde nas paisagens e não enxerga o próprio brilho?

O olhar inocente da criança que fomos ainda existe dentro de nós e se manifesta na pausa... no silêncio... na liberdade de olhar como se nunca tivesse visto. Do jeitinho que fazíamos quando éramos pequenos, com assombro e admiração!

Precisamos desse olhar, precisamos dessa reconciliação...

A nossa criança pode nos guiar nessa direção, ela pode criar uma ponte entre a mente e o coração, pois ela tem o dom de exuberar a paz diante da vida, diante do outro e diante de si mesma.

Liberdade para ela!

Marlene Damico Lamarco é Pedagoga e Fundadora da Oficina Holística Arco Íris, uma Ong que se dedicou por 16 anos  ao equilíbrio e desenvolvimento humano, através dos inúmeros caminhos do autoconhecimento. Também atuou durante 25 anos como executiva na área de marketing do varejo. Dedica-se há mais de 25 anos ao estudo e prática de ciências esotéricas, meditação, psicologia e xamanismo.

Ponto de Equilíbrio
com Marlene Lamarco
Comentários