Colunistas

13/10/2016 20:52 - Atualizado em 13/10/2016 20:52
A importância da vacina para os cães
Katia Ramos

Cães e gatos, assim como nós, devem ter cuidados especiais com a saúde. Com um acompanhamento veterinário e uma carteirinha de vacinação organizada, é possível ter o controle ideal sobre a saúde e vacinas do seu amigo de quatro patas.

A vacinação ajuda não só a manter seu cachorro saudável, mas também a evitar a disseminação de doenças, beneficiando toda a população de cães domésticos. Desde que a vacinação de cães foi introduzida pela primeira vez nas cidades, ela tem ajudado a diminuir drasticamente a incidência dessas doenças, que podem atingir os humanos também.

 

A importância da primeira vacina

Quando nascem, os filhotes contam apenas com os anticorpos fornecidos pelo leite da mãe para protegê-los contra microrganismos nocivos que possam causar doenças. Com o passar do tempo, essa proteção passa a desaparecer e os filhotes ficam vulneráveis. Com o tempo, ele será capaz de combater esses problemas sozinho, no entanto, existem certas condições mais graves que podem ser uma ameaça para a saúde dele.

Ao ser vacinado, o filhote recebe uma pequena dose de vírus ou bactérias para estimular o sistema imunológico a produzir anticorpos contra esses agentes. Tais agentes virais ou bacterianos geralmente estão mortos ou inativados e, portanto, são incapazes de provocar doença. Eles apenas servem para o organismo do animal entender a presença de agentes e combatê-los.

A regra geral e obrigatória é que em todo esquema de vacinação para cães deva constar a aplicação da vacina múltipla (V8 ou V10) e antirrábica. Antes de tomar estas vacinas, é importante que o cãozinho não tenha contato com outros animais. Orienta-se que espere ao menos uma semana após a última dose da vacina para expor o filhote. Esse é o tempo necessário para que a vacina interaja completamente com o sistema imunológico do cachorro.

Está na hora de vacinar seu cachorro? Contra quais doenças a vacina para cachorro imuniza?

Ambas as vacinas múltiplas, também conhecidas como polivalente ou combinada, imunizam o organismo dos cachorros contra sete doenças graves e contagiosas. São elas:

- Cinomose: uma virose grave, podendo causar tosse intensa e diarreia no início, levando a desenvolver uma pneumonia fatal ou até mesmo paralisia. O tratamento é difícil e os que conseguem se curar sofrem, muitas vezes, com sequelas;

- Hepatite: um distúrbio grave, causado por um vírus altamente infeccioso que afeta o fígado, podendo se desenvolver de forma extremamente rápida;

- Parvovirose: um vírus que sobrevive no ambiente por muitos meses e costuma afetar filhotes, provocando diarreia sanguinolenta frequentemente fatal;

- Parainfluenza: conhecido como “tosse dos canis”, o vírus causa uma doença altamente contagiosa que costuma se desenvolver em ambientes onde existem muitos cães em proximidade estreita, podendo evoluir para pneumonia e doenças bem mais graves;

- Adenovirose: vírus extremamente semelhante ao da parainfluenza, que pode causar doenças respiratórias graves;

- Coronavirose: vírus que causa vômito e diarreia, às vezes com sangue, mas um pouco menos grave do que a parvovirose. Pode se tornar mais perigoso quando há contaminação secundária por bactérias;

- Leptospirose: infecção bacteriana que é disseminada por ratos, frequentemente por meio de água contaminada e em áreas rurais. Causa insuficiência hepática/renal grave e também pode ser transmitida dos cães para os seres humanos.

V8 e V10, qual é a diferença?

As vacinas múltiplas (V8 ou V10) protegem os cães contra sete doenças graves e contagiosas, conforme descrito acima. A diferença de numeração delas existe por conta da quantidade de antígenos que elas contêm: a V8 protege contra a Leptospira Canicola e a Leptospira Icterohahemorrhagiae (6 doenças + 2 sorotipos de leptospira) e a V10 inclui, além destas, os antígenos para Leptospira Grippotyphosa e Leptospira Pomona (6 doenças + 4 sorotipos de Leptospira).

Sendo assim, a V10 é considerada mais completa, por isso muitos médicos veterinários preferem trabalhar e aplicar somente ela em seus pacientes caninos. Mas esta decisão pode ser avaliada de acordo com as considerações do veterinário e a região em que mora. A Leptospirose é mais comum na área rural, portanto, cães de área urbana podem tomar V8 tranquilamente.

 

Vacina antirrábica

A vacina antirrábica imuniza o animal contra a raiva, uma grave zoonose (doença transmitida para humanos por meio de animais) que afeta o sistema neurológico e não tem tratamento, não apresenta sintomas iniciais e quase sempre leva à morte.

A raiva é uma infecção aguda que atinge o sistema nervoso central, suscetível a todo animal de sangue quente e o homem. O vírus frequentemente se encontra na saliva do hospedeiro infectado e pode ser transmitido por meio de mordidas, lambidas e, às vezes, por via respiratória.

 

Outras vacinas

Além destas vacinas obrigatórias, também é possível imunizar o cachorro contra a Traqueobronquite (tosse dos canis), Giárdia e Leishmaniose (Calazar), que são zoonoses de alta gravidade. A vacina contra a Leishmaniose costuma ser aplicada em regiões onde a doença é comum e a aplicação deve ser antecedida de exames para detectar se o cão já está infectado. Vale consultar um médico veterinário de confiança para saber se é necessário para o seu cão.

 

Prevenção

É extremamente importante remediar e prevenir doenças, pois algumas podem atingir o organismo dos animais e humanos rapidamente, sobrando poucas chances de tratamento ou cura. Para todas estas vacinas, é necessário um reforço anual.

Um cachorro saudável é um cachorro feliz! Mantenha a saúde do seu amiguinho em dia com o controle em carteirinha de vacinação e consultas frequentes ao médico veterinário.

Katia Ramos é uma Protetora Independente de Animais, apaixonada por bichos e, claro, pela Chow Chow Sharon Stone, de nove anos, que é uma celebridade pet.Moradora de Alphaville há 11 anos, Katia também participa de causas contra os maus tratos aos animais e também faz parte do Grupo das Meninonas S.A, de Alphaville, como Diretora de Proteção aos Animais.

Cãoluna
com Katia Ramos
Comentários