Colunistas

15/06/2016 10:07 - Atualizado em 27/06/2016 10:07
Animais em zoológicos
Katia Ramos

O sofrimento animal:

- Animais confinados em zoológicos vivem uma vida fora de seu habitat natural e têm seus hábitos totalmente alterados. Ou seja, vivem sem percorrer as distâncias que percorreriam em liberdade, não migram, não confeccionam ninhos, não vivem em bandos familiares, etc.

- Os animais mantidos no cativeiro de zoológicos vivem em estresse pelo contato constante com o público que visita o local. Muitos casos acontecem porque há fanfarrões que, por pura diversão, causam incômodos aos animais. Além disso, há os comuns casos de adultos e crianças que atiram balas, chicletes, pipocas e outras guloseimas aos animais, ainda que existam as placas de “não alimente os animais”.

- Os zoológicos não têm função relevante em reproduzir e reintroduzir na natureza as espécies ameaçadas de extinção. Na maioria dos casos, a reprodução de animais não é relevante para a espécie ou é estimulada com a finalidade de atrair público para visitação ou notoriedade ao estabelecimento, o que na maioria das vezes se reverte em verbas ou interesse político para os administradores.

- Filhotes nascidos nos zoológicos que não são reintroduzidos à natureza jamais conhecerão seu habitat natural nem desenvolverão os hábitos naturais. Serão para sempre dependentes dos cuidados e da atenção dos humanos, muitas vezes, funcionários que sequer estão aptos ou se identificam com o trato aos animais, pois são empregados assalariados que desempenham funções como qualquer outra.

- Observar animais em zoológicos não auxilia no conhecimento sobre seu comportamento, uma vez que, como citado, tal confinamento altera seus hábitos naturais.

- Os zoológicos não garantem a segurança dos animais que abrigam. Diversos casos de mortes de animais, inclusive os de espécies ameaçadas de extinção, já foram registrados nos zoológicos considerados “modelos” por diferentes causas, que vão desde os maus-tratos e negligência no tratamento até causas não identificadas.

O risco à vida humana:

- Os visitantes dos zoológicos têm o risco de ataques de animais. Vários registros existem de pessoas que caíram em jaulas de animais perigosos ou que sofreram mutilações por estarem ao alcance deles.

O dano social:

- A lição educacional de que espécies consideradas “inferiores” (porque somos capazes de aprisioná-las) transmite uma ideia distorcida de valores e pode ensinar, de modo geral, que se justifica a exploração de qualquer vida.

O último caso de muita repercussão foi o do gorila do zoo nos Estados Unidos, na qual uma criança caiu no seu recinto por descuido de uma mãe. O animal foi abatido sem que ele tenha demostrado agressividade, por total despreparo do zoo.

O pobre animal de 14 anos, de raça em extinção, morreu sem saber o motivo. E a culpa é de todos que mantêm esta atrocidade para que o animal seja explorado como um objeto. Diga não aos zoos, o animal tem o direito de viver em seu habitat natural.

Katia Ramos é uma Protetora Independente de Animais, apaixonada por bichos e, claro, pela Chow Chow Sharon Stone, de nove anos, que é uma celebridade pet.Moradora de Alphaville há 11 anos, Katia também participa de causas contra os maus tratos aos animais e também faz parte do Grupo das Meninonas S.A, de Alphaville, como Diretora de Proteção aos Animais.

Cãoluna
com Katia Ramos
Comentários